Alfarrábio  
  :: Alfarrábio ::
Por Paulo Bicarato
 

home | e-mail | icq 267228436

Somos apenas os vazios entre os nós da rede. E estamos num grande boteco.

Paulo/Male/31-35. Lives in Brazil/São Paulo/Guaratinguetá, Vale do Paraíba, speaks Portuguese. Spends 20% of daytime online. Uses a Normal (56k) connection. And likes Cybercultura/Jornalismo.
This is my blogchalk:
Brazil, São Paulo, Guaratinguetá, Vale do Paraíba, Portuguese, Paulo, Male, 31-35, Cybercultura, Jornalismo.


Quer deixar seu recado?
Assine aqui.

Paulo Bicarato
Jornalismo, literatura, poesia e elucubrações diárias. Paulo Bicarato de peito aberto,
(ar)riscando palavras vivas ao vento.


.............

e5Cr3v1nH4çõEs


:: Especial ::

Guimarães Rosa


:: Meus artigos::

Nova Economia
WideBiz

.............



:: Arquivo::


Catraca eletrônica



on-line

quarta-feira, março 31, 2004

:: 31/Março/1964 ::

No programa do Observatório da Imprensa de ontem à noite, o Alberto Dines comentou uma pesquisa feita pelo O Globo, com estudantes de 18 a 25 anos, sobre o 31 de março e os anos seguintes ao golpe. Quase ninguém sabia qual presidente foi deposto, quem foram os generais linha-dura, quais as vítimas dos anos de chumbo (chegaram a citar *Tiradentes*...). Não me surpreendi. Meus pais viveram os anos de chumbo. Eu cheguei a pegar alguns anos, mas ainda criança e com pouquíssima ou nenhuma consciência do que acontecia (apesar de, ou por causa das aulas de *Educação Moral e Cívica*...). Já essa moçada-alvo da pesquisa, filhos dos filhos da ditadura, nasceu sob o símbolo da abertura e da anistia. E vítima da falta de memória à que foram sujeitos seus pais e avós...

Mas, pensando nisso tudo aí, fui fuçar numas pastas antigas. Achei uma carta que o D. Paulo Evaristo Arns, uma pessoa que cresci aprendendo a admirar, me escreveu, datada de 17 de abril de 1980. Eu não tinha nem 13 anos, e estudava num colégio de freiras. A carta do D. Paulo atendia a um pedido meu para uma mensagem a ser lida nas comemoraçoes do Dia de Tiradentes, no colégio. Seguem alguns trechos da carta (os grifos são meus):
COMO ANUNCIAR AS RIQUEZAS DO HOMEM

Se falássemos apenas que o homem tem uma alma imortal, talvez nos acusassem de distanciarmos nossa mensagem da realidade de todos os dias.
Se disséssemos que o homem é o único que pode interiorizar todas as coisas e oferecer tudo o que existe como o sacerdote a Deus, nossos leitores, quem sabe, pensariam num cristianismo dominical, agualmente desligado dos problemas de cada dia.
Ambas as verdades não deixam de ser fundamentais.
No entanto, qual é mesmo a riqueza que pode ser anunciada com decisão, e que há de ser compreendida por todos, tornando-se até apelo contínuo nos encontros humanos?

a) Em primeira lugar, deveríamos insistir na consciência humana. Esta não consiste apenas em intuições profundas do que está certo ou errado, mas é a "voz de Deus no santuário do homem", como disse uma vez, com ênfase, Pio XII. Cada homem tem uma consciência, e esta, além de ser incentivo contínuo, se transforma também em juiz objetivo e implacável dele.
Apelar para a consciência humana é apelar para a própria dignidade do homem. É até a resposta do nosso amor a Deus e a nós próprios. [...]

b) Apesar de todos os condicionamentos de hoje, deveríamos insistir em outra qualidade que distingue o homem de todo o mais que existe no mundo: é a liberdade.
Por ela, morreram tantos heróis no passado!
Mesmo no mais profundo dos calabouços, de mãos e pés acorrentados, ainda se consideravam eles livres. Hoje, o termo "liberdade" se tornou menos explosivo e menos candente do que em outros tempos. Existem pessoas que colocam a noção de segurança, e mesmo a noção de conforto, acima do direito de serem livres. Mas, no fundo do coração, o homem defende o seu direito de escolher o que lhe agrada, o direito de seguir o que acha certo, o direito de movimentar-se, em todas as esferas criadas para o seu desenvolvimento progressivo. A soma de todas as liberdades bem orientadas será o bem comum. A liberdade e a dignidade de todos. E não é nem preciso experiência humana prolongada, para descobrir que a liberdade não significa ausência total de normas. Jamais a liberdade se equaciona com a licença ou com a licenciosidade. Ela encontra seus limites, e até seu ideal comum, no bem de todos e na dignidade de cada um. [...]
É... a liberdade e a dignidade de todos.

por Bicarato | Link :5:23:00 PM |


quarta-feira, março 24, 2004

:: Mídia Alternativa ::

Descobriram a América! Obviamente, com algum atraso, já que a revolução não é e nunca foi televisionada. Assim sendo, os gringos precisam se apoiar em estudos, estatísticas, *dados concretos*. Leio na Carta Capital:
CRISE DA MÍDIA ABRE LUGAR PARA ALTERNATIVOS
Enquanto a tiragem dos jornais e revistas tradicionais cai, cresce o espaço do jornalismo on-line e “étnico”

Trata-se do mais ambicioso estudo já realizado sobre a mídia americana. O Estado da Mídia Informativa 2004, realizado pelo Projeto pela Excelência no Jornalismo, associado à Universidade Columbia (Nova York), resultou em um catatau de mais de 500 páginas (disponíveis em www.stateofthemedia.org), e importantes indicações.

[...]

Há quem diga que os consumidores de notícias estão se transformando em “prosumidores”, um neologismo que tenta dar conta da seguinte situação: “Os cidadãos funcionam simultaneamente como consumidores, editores e produtores de um novo tipo de notícia, no qual os relatos jornalísticos são apenas um elemento”.

O chamado jornalismo “étnico”, em particular o produzido em língua espanhola, é outro nicho em crescimento, assim como a chamada mídia alternativa.

[...]

“O jornalismo em 2004 está no meio de uma transformação histórica, provavelmente tão impactante quanto a invenção do telégrafo e da televisão”, diz o estudo. “O jornalismo não está se tornando irrelevante. Está se tornando mais complexo. Estamos testemunhando tendências conflitantes de fragmentação e convergência simultaneamente, e elas às vezes levam a direções opostas.”
Como não poderia deixar de ser, os sobrinhos do Tio Sam têm que dar nome aos bois. E criam neologismos como quem faz e alimenta guerras aqui e ali: há uns dois, três anos, declararam que somos todos bobos (bo+bo: bourgeois+bohemians); a partir de agora, somos todos prosumidores. Pois é...

De qualquer maneira, o fato é que já há um bom tempo o jornalismo, de um modo geral, vem tentando encontrar um novo rumo, diante do novo comportamento dos leitores e do uso adequado da snovas tecnologias. Seria interessante algum estudo desse tipo aqui em Pindorama. Alguém sabe de algo a respeito?

por Bicarato | Link :3:51:00 PM |


:: Sobre o Tempo ::

No começo do séc XX, um chefe indígena das ilhas Samoa teve ocasião de fazer uma viagem à Europa, e de escrever uma espécie de reportagem antropológica sobre os usos e costumes do brancos, por ele chamados de Papalagi. Eis o que escreveu:
O Papalagi não tem tempo. O Papalagi está sempre descontente com o seu tempo e se lamenta com o Grande Espírito porque não lhe deu o bastante... Nunca entendi bem essa coisa e penso mesmo que se trate de uma grave doença: “o tempo me escapa! O tempo corre como um potro enlouquecido! Me dê um pouco de tempo!” Essas são as queixas habituais dos homens brancos. Eu afirmo que deve ser uma estranha espécie de doença, porque, mesmo supondo que o homem branco tenha vontade de fazer uma coisa, que o seu coração deseje de verdade, por exemplo, que queira andar ao sol, ou passear no rio com uma canoa, e queira amar a sua menina, assim estraga toda a alegria, atormentando-se com o pensamento “não tenho tempo de estar contente”. O tempo está ali, com toda a boa vontade, e ele não o vê. Fala de mil coisas que tomam todo o tempo dele, fica amuado, e lamentoso no seu trabalho, que não tem vontade nenhuma de fazer e que não lhe dá alegria e para o qual ninguém o obriga a não ser ele mesmo. Há Papalagi que afirmam nunca ter tempo, correm em volta como desesperados, como possuidos pelo demônio e onde quer que cheguem fazem o mal e provocam mal estar e criam espanto porque perderam o seu tempo.
[Roubado da Isabel Guimarães]

por Bicarato | Link :3:50:00 PM |


terça-feira, março 23, 2004

:: Uma Câmera na Mão e Duas Rodas na Estrada ::

Tá lá na Novae: um pequeno ensaio fotográfico do meu grande amigo Lucas Lacaz Ruiz, acompanhado de um textinho de apresentação meu. Depois de já ter cortado o Brasil de São José dos Campos (SP) a Marcelino Vieira (RN), no ano passado o Lucas fez a Rota Sul: de São José dos Campos ao Chuí (RS). Detalhe: nas duas vezes, ele foi de bibicleta. A Rota Sul consumiu 18 dias, num total de 2.416 km. Para quem quiser ver mais imagens, uma exposição *presencial* está tendo espaço no CenterVale Shopping, em São José dos Campos. Ou então, direto lá no site do Lucas.

por Bicarato | Link :3:31:00 PM |


segunda-feira, março 22, 2004

:: Contagem Regressiva ::

Em fase de acabamento, e com a faxina geral sendo feita, em breve este escriba inaugura uma nova casa. Dificilmente falarei de celebridades e coisinhas mundanas afins --bom, pelo menos, vou fazer o maior esforço... Enquanto isso, de volta à faxina.


por Bicarato | Link :3:10:00 PM |


quarta-feira, março 17, 2004

:: The Interactive Museum of News ::

Capas de jornais de todo o mundo: 284 primeiras páginas de 37 países, constantemente atualizadas. Está tudo lá no Newseum.

[Dica da Cora. Aproveitei e roubei também esse gifzinho aí...]

por Bicarato | Link :4:47:00 PM |


terça-feira, março 16, 2004

:: Literacia ::

Entrar numa livraria, pegar um livro e pagar no caixa não é mais uma prática comum. Atualmente, o leitor gosta mesmo é de ter liberdade, poder folhear o livro, ler alguns trechos e, aí então, decidir pela compra.
A verdade é que as livrarias estão oferecendo cada vez mais atrativos para o leitor. Além do café, livros e revistas, os proprietários oferecem até mesmo uma relação de amizade com os clientes.
Na Literacia - Livraria, Sebo e Cia, em São José dos Campos, o cliente acaba se tornando um amigo. Segundo a proprietária, Ana Lúcia Oliveira, é muito importante conhecer quem frequenta o local. "Isso faz com que a pessoa retorne."
Ana Lúcia afirmou que ela não sabia comprar um livro sem abrir, olhar e criar uma relação antes da compra. "É isso que oferecemos aos nossos clientes."
O lugar, além de ser aconchegante, possui café e até mesmo um espaço para exposições de arte. "Nossa intenção foi associar justamente a literatura com a atividade artística", afirmou o proprietário Wazdat de Oliveira.
Segundo Wazdat, ele pretende ainda tornar a livraria num centro de consulta de dados do Vale do Paraíba. "Queremos que as pessoas venham aqui não só para comprar, mas também para consultar."

>> Literacia

[Texto publicado originalmente no jornal ValeParaibano, 7 de janeiro de 2004]

por Bicarato | Link :2:30:00 PM |


segunda-feira, março 15, 2004

:: Amor de Verão ::
--- Nizan Guanaes e Paulo César Bernardes

Quem já não viveu um amor de verão
Até tentou e descobriu que era ilusão
Coisa de momento que balança o coração
Mas meu amor não tem comparação

Sem ela não tem papo
O pagode não dá liga
Sem ela não há festa
Ela refresca a minha vida

Cair em tentação pode ocorrer com qualquer um
Mas grande amor só existe um

Fui provar outro sabor, eu sei (Bis)
Mas não largo meu amor, voltei

[Música cantada por Zeca Pagodinho no comercial da Brahma]

por Bicarato | Link :12:02:00 PM |


:: Jornalismo Livre ::

O IJOR (Instituto Livre de Jornalismo), fundado por um grupo de jornalistas e pesquisadores em 1º de março, promove na próxima terça-feira, 16, às 21h30, seu evento público de lançamento, no Espaço Unibanco de Cinema (Rua Augusta, 1.475).

O debate, sobre os desafios atuais do jornalismo brasileiro, terá a participação dos sócios-fundadores Mário Andrada e Silva (diretor para a América Latina da agência Reuters), Mino Carta (diretor de redação da revista Carta Capital) e Ricardo Noblat (ex-diretor de redação do Correio Braziliense e autor do livro A Arte de Fazer um Jornal Diário). O mediador será Mario Vitor Santos (ex-ombudsman da Folha de S. Paulo e colunista da revista Primeira Leitura).
As senhas para o debate serão distribuídas no próprio dia 16, a partir de 20h30, na bilheteria do Espaço Unibanco.

O IJOR é uma organização sem fins lucrativos voltada para a formação e a qualificação do jornalista, e para fomentar o debate em torno da profissão. Criado a partir de um núcleo de ex-professores da Faculdade Cásper Líbero, o Instituto reúne os seguintes sócios-fundadores: Adriana Garcia, Alcides Ferreira, Alon Feuerwerker, André Rodrigues, Ariovaldo Bonas, Bob Fernandes, Caio Blinder, Carlos Brickmann, Domingos Fraga, Eduardo Marini, Eugênio Bucci, Everton Constant, Fernando Mitre, Fernando Morais, Gabriel Priolli, Gilson Schwartz, Hamilton de Souza, Helio Campos Mello, Janio de Freitas, Jayme Brener, Jorge Claudio Ribeiro, José Américo Dias, José Arbex, Josemar Gimenez, Juca Kfouri, Laurindo Lalo Leal Filho, Leão Serva, Luiz Costa Pereira, Luiz Gonzaga Belluzzo, Marcelo Coelho, Marco Antonio Araujo, Marco Antonio Piva, Marco Chiaretti, Mario Andrada e Silva, Mario Vitor Santos, Marion Strecker, Matinas Suzuki Jr., Mauricio Stycer, Mino Carta, Mônica Teixeira, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nassar, Ricardo Noblat, Roberto Müller, Rosane Baptista, Sergio Amadeu da Silveira, Sergio Fernandes da Costa, Sérgio Rizzo e Sidnei Basile.

por Bicarato | Link :11:58:00 AM |


quinta-feira, março 11, 2004

:: sorry by the spam ::
I changed the photo on my profile in memoriam to victims of Madrid. Please, considers make the same action. Thanks.

He cambiado la foto de mi perfil en memoria de los muertos esta mañana en Madrid. Por favor, considerad hacer lo mismo. Gracias.

[Mensagem enviada pelo Zifra, direto de Madri, lá no Orkut.]

por Bicarato | Link :10:59:00 AM |


quarta-feira, março 10, 2004

:: IsraHell Urgente ::

Para o Jornal do Brasil e Sharon, Latuff é um problema; para a Novae, a solução
Com referência à polêmica causada em IsraHell por conta da publicação de meus cartuns no Centro de Mídia Independente, o Jornal do Brasil desta segunda-feira publicou nota na coluna Informe JB (ao lado). De acordo com o jornal, eu agora sou um "Brasileiro-problema". (Latuff)

Acordo de Genebra
Conheça o documento completo em português, onde líderes dos dois povos mostram que a PAZ entre Israel e Palestina é possível AGORA


por Bicarato | Link :5:44:00 PM |


terça-feira, março 09, 2004

:: Globlogger & os Sem-teto ::

É o que faltava: agora, por um motivo qualquer, que nem sempre é público, despeja-se um blog de um servidor. Está criada a mais nova classe: os *blogueiros sem-teto*. Segue a mensagem do Inagaki:
Incautos e incautas, perdoem-me o spam mas a causa é (mais ou menos) nobre. Seguinte: Pensar Enlouquece, minha maloca virtual no Blogger Brasil, adquiriu o duvidoso status de "site bloqueado por não respeitar as Normas de Utilização do Blogger" e foi pras cucuias. O motivo: estouro do limite de 10 MB de armazenamento em disco nos servidores da Globo.com. Estranho, uma vez que a página de gerenciamento me informa que foram dispendidos meros 7,3 MB. Mas, uma vez que por motivos nebulosos outros blogs como o do Matusalém Matusca e da Alê Félix foram limados do Blogger BR sem maiores explicações, encarei esse despejo com gosto de déjà vu nas gengivas. Gastando todo o parco francês que me resta, limito-me a dizer: c'est la vie.

Servimos bem para servir sempre. Considerem-se, pois, todos convidados para visitar minhas dependências provisoriamente instaladas em http://mblog.com/inagaki.
Pois é...

por Bicarato | Link :11:18:00 AM |


domingo, março 07, 2004

:: Caixas-Pretas & Waldomiros ::

Na semana passada, o mestre Alberto Dines colocou o dedo na ferida, em artigo no Observatório da Imprensa e que foi republicado pela Novae. Algumas pinceladas:
Quem não está interessado em produzir "fatos novos" são os mesmos que acionaram o escândalo – os grandes delinqüentes.

O "Waldogate" está sendo controlado pelo crime organizado desde o início: o vídeo foi divulgado quando interessava divulgá-lo e seus desdobramentos só serão conhecidos quando a rede na qual envolveu-se Waldomiro Diniz julgar conveniente lançar outra bacia de lama no ventilador.

Este é um escândalo comandado por controle remoto, por isso é ingênuo acreditar que envolve apenas dois personagens e um par isolado de episódios de corrupção. Erram as autoridades e erra a imprensa ao circunscrever o "Waldogate" à esfera política, à queda de um superministro e/ou à questão dos bingos.

[...]

[...] A prova é que a bomba explodiu mas ninguém se mostra interessado em saber quem a detonou. A imprensa vai se movimentar quando alguém lhe entregar o próximo petardo – grampo, fita, vídeo ou dossiê.
Agora, a IstoÉ traz algumas pistas a mais:
Caixa-preta da Gtech
Maior operadora de loterias do mundo acumula escândalos


Os 23 anos de história da americana Gtech podem ser confundidos com um roteiro à la Coppola, da série O poderoso chefão. Cenas de espionagem, escândalos, favorecimentos e pagamentos milionários por serviços prestados, lícitos e ilícitos, por empresas de políticos ou assessores influentes do alto escalão dos governos estaduais fazem parte do roteiro que fermentou esta gigante, responsável pela loteria nos Estados Unidos. As operações flagradas em vídeo de Waldomiro Diniz com o bicheiro Carlinhos Cachoeira não são novidade na metodologia pouco ortodoxa da empresa, hoje responsável por 70% dos jogos de loterias no mundo, com receitas globais da ordem de US$ 1,5 bilhão, sendo 15% da bolada proveniente do Brasil.
[Íntegra aqui]
Aguardemos os próximos capítulos...

por Bicarato | Link :10:52:00 PM |


quarta-feira, março 03, 2004

:: Sobre o Fazer ::

"[...] Havia muito tempo que [...] procurava reduzir ao mínimo sua participação na vida ativa. Não que não gostasse de ação, ao contrário, o amor pela ação alimentava todo o seu caráter, seus gostos; no entanto, de um ano para o outro, a vontade de ele mesmo fazer ia minguando, minguando, tanto que ele chegava a se perguntar se um dia realmente tivera tal vontade. O interesse pela ação sobrevivia, porém, no prazer de ler [...] Do outro lado da superfície da página se entrava num mundo no qual a vida era mais vida do que aqui, deste lado: como a superfície do mar que nos separa daquele mundo azul e verde, gretas a perder de vista, extensões de fina areia ondulada, seres meio animal e meio planta."
--- A Aventura de um Leitor, Italo Calvino (in Os Amores Difíceis)

Para a

por Bicarato | Link :5:24:00 PM |


:: Na Rede do Orkut ::

Eu ainda estou *digerindo* o negócio, como comentei outro dia com o Rodrigo Gurgel. Mas é inegável que a chegada do Orkut está mexendo, e muito, com o pessoal. Principalmente os mais antenados (entre os quais, naturalmente, eu NÃO me incluo).

O meu caríssimo amigo Hernani fez algumas considerações. como ele mesmo diz, são as *primeiras conclusões (um pouco precipitadas) sobre o Orkut [e] ainda carecem de maior estudo*. Na auto-avaliação do Hernani: *estou quase alcançando o status de 'connector' (ou hub para o Barabási) com path average de 3.4XX. Bacana, isso! O Hernani tem todos os méritos. Mas escorregou no tomate. A seguir, comentário que deixei lá na discussão aberta por ele:
Ôpa, ôpa! Vamos lá:

Sobre o item 5: *Os testemunhos, também, atuam na reputação. Mas não são mensurados nas estatísticas. Tem apenas um aspecto qualitativo.*

Meu caro cara HD: reveja esse ponto, possivelmente você se expressou mal. Senão, infelizmente, você acabou vítima do mesmo raciocínio falacioso que toma conta do *mkt tradicional*, em detrimento do seu *mkt hacker*.

Vamos lá: *testemunhos* NÃO atuam também na reputação. Eles SÃO a reputação. Se você toma a reputação a partir apenas dos números e estatísticas quantitativas, você está assumindo a possibilidade de *forçar a barra* e *corromper o sistema* (palavras suas, no item *4*).

Depois, você ainda diz: *[testemunhos] Tem apenas um aspecto qualitativo*. Cara! *APENAS*??? Ué... para mim, qualidade sempre veio antes da quantidade (até mesmo no dicionário).

Pense melhor aí, chefia. Ou será que sou eu que tô viajando e não entendi nada?
A discussão está aberta. Quem se habilita?

Update: Antes que eu pudesse colocar meus comentários lá, o Celso *japa* Goya já havia registrado palavras com a mesma conotação, praticamente. Parece que estamos falando a mesma língua...

por Bicarato | Link :12:30:00 PM |


:: Busque aqui ::



::. Metá:Fora .::




GeoURL







:: Especial ::

ESQUISSOS da Dulce Dias

:: Chapada ::

CURLY da Renée & Carol


:: Wikipédia ::

Eu estou no Blog List


::
>> |
?
| #

"Ao buscar prosperidade para toda a humanidade, o reino de Chintamani Mahakala se abre diante de ti, oferecendo uma abundância de jóias que concedem desejos. Ao buscar riquezas somente para si, você compete contra todos os seres humanos." -R.S.

Inspirado no Tom-B

###

Copyleft
Paulo Bicarato
###

###
Nenhum direito reservado
###
Favor apenas manter os devidos créditos



  by NM